Outro dia numa padaria que avisa pela internet quando a próxima fornada de pães será servida. E lá o sinal de internet é liberado, seja para clientes ou não. Todos comem juntos. Isso mesmo, existe apenas uma enorme mesa de madeira maciça, no centro da padaria. Nada de divisão. Nada de exclusão. Sem grupos ou isolamento. Uma mesa, muitos lugares, todos comem juntos. Isso me fez lembrar das nossas igrejas. Será que nos parecemos com essa padaria, em que todos têm acesso ao mesmo sinal, um sinal divino, compartilhado pela graça – assim como o recebemos –, ou estamos querendo cobrar por algo que não pagamos? Quantas mesas temos? Uma para cada “tipo” de cliente, ou apenas uma grande e aconchegante, onde todos podem alimentar suas almas famintas com o Pão. Deus, nosso padeiro, também avisa que está quase na hora, que a última trombeta, digo, fornada, está para sair. Estejamos preparados. Há pão para todos, aliás, sempre sobrou pão, pois muitos não querem comer. 

          Imagino Jesus, hoje, sentado à mesa, tomando uma xícara de café e nos ensinando: “O Reino dos céus é semelhante a uma padaria, na qual vocês estão ao redor de uma grande mesa, cuja madeira foi talhada no calvário, pintada com meu sangue e todos estão conectados. Ninguém passará fome porque Eu mesmo vou servi-los. Sim, estaremos todos ao redor de uma mesa, uma grande mesa, dividindo espaço com Abraão, Pedro e Moisés. Com nossos familiares e amigos que partiram antes de nós. Os famosos e os anônimos, os grandes e os pequenos, os fortes e aqueles que, como eu, são fracos. Não me importo de sentar num cantinho, nem de ser o menor de todos, só quero estar lá para ouvir tudo que Ele tem para me dizer.